quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Dor do Des(amor)







Dor do Des(amor)


Quando você surgiu
meu coração carente
a ti se entregou
sem tormentas acalmou-se...

Poetando pintei
a vereda suave
de sonhos coloridos
que juntos percorreríamos

Ilusão desfeita sonho acabou...


As lágrimas não calam
o sangue verte denso
em meu peito

Nos meus versos tristes
amor é utopia...
Fragilizando meu ser
dor do des(amor)

Van Albuquerque

Nenhum comentário: