domingo, 28 de março de 2010

Quereres




Quereres


Sua voz de veludo
chega como brisa
luz de farol
embrenha-se no escuro
entra pela fresta da porta
atravessa os vidros
translúcidos da janela
Luar no céu esparge
arranja os cachos
do meu cabelo
afaga minha pele
sacode meus anseios
alarga a cama
alonga as sombras
dos nossos corpos
em desalinho
Alvoroça nossos sentidos
arde em nós os quereres

(Van Albuquerque)
08/03/10

Nenhum comentário: