segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Dentro do meu coração


Dentro do meu coração


Tem um céu Azul
pintado de aquarela
carregado de nuvens
brancas de algodão

Tem também
um mar límpido e calmo
brisa delicada e fresquinha
um sol brilhante
que irradia meu dia

Dentro do meu coração
tem um segredo
meu sonho guardado
minha poesia
meu amor escondido

Tem também
um gosto de saudades
que exala em minha alma
um cheiro gostoso
de amêndoas doces

S.S.(Van Albuquerque)
28/12/09

Deixa?


Deixa?

Quero tanto dormir
e depois acordar
dentro do seu coração...
Deixa?

(Van Albuquerque)
27/12/09

Acabou...


Acabou...

Amar você foi bom...
Em meu coração guardei
os mais lindos versos
as mais belas canções...

(Van Albuquerque)
25/12/09

Teu lugar é aqui!


Teu lugar é aqui!


Menino poeta
aonde você pensa que vai?
Teu lugar é aqui!
No aconchego dos amigos
que você conquistou

O mundo azul sem ti
perdeu a cor
palavras emudeceram
ficou um deserto
triste e incolor...

Volta aqui ?
No seu tempo
sem pressa...

Vem nos encantar
com a melodia
dos versos
sensibilidade singular
da sua alma
que dita poesia...

Menino poeta ...
Volta?

(Van Albuquerque)
25/12/09

domingo, 20 de dezembro de 2009

Longe de mim


Longe de mim



Do meu canto
sinto teu olhar
atrás da porta
com vontade
a me espreitar

Teus lábios úmidos
ensaiam palavras
sorvem malícias
sorriem de canto
sem jeito se ajeitam

Pressinto carícias
menino homem
longe de mim
escurece o olhar
confuso se esconde
a me desejar

(Van Albuquerque)
20/12/09

sábado, 19 de dezembro de 2009

Cores


Cores


Meu amor por ti
é feito uma bolha
cristalina de sabão
passeando solta
no azul do céu

Faz cores
de todas as cores
dentro do meu coração

(Van Albuquerque)
18/12/09

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Escrevendo




Escrevendo


O dia amanheceu
manhã alva e quente
há calmaria
no desabrochar lento
do tempo das flores
azuis no quintal
Desperto os sentidos
caminho devagar
sinto o aroma
doce das palavras
na ponta dos pés
escrevo poesia

(Van Albuquerque)
18/12/09

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Busca


Busca


Meu olhar em véu
se descortina
te busca dentro
dos meus sonhos

(Van Albuquerque)
17/12/09

Amanhecer


Amanhecer


Em teu olhar
anoiteço-me
sem que, em meu olhar
outro amor, amanheça...

(Van Albuquerque)
17/12/09

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Sem nós




Sem nós...


Não gosto
de te ver
tão triste assim...

Coração sufocado
olhar perdido
no vazio de nós...
Eu sem ti
você sem mim...

(Van Albuquerque)
16/12/09





Lua nua



Lua nua


Esticada no céu
desnuda flutua
lua menina
feitiço mulher

Sedutora nua
musa inspiradora
suspiro audível
no verso
mudo dos poetas

Lânguida lua nua
direciona caminhos
ilumina de amor
o mar
Veste-se de encantos
banha os amantes
aquece corações
incandesce desejos

(Van Albuquerque)
16/12/09

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Lembranças


Lembranças


Lembranças doridas
sol frio que queimava
minha alma insensata
que aflita chorava

Lágrimas sofridas
repousam hoje esquecidas
na fragrância da saudade
num canto desprezada

Lembranças doridas
um carinho amarrotado
de um olhar perdido
no vazio do nada

(Van Albuquerque)
15/12/09

Caminhos




Caminhos


Na beira da estrada
sonhadora caminha só
descaminhos a desviar
caminhos que levam a ti
vereda colorida
desponta aos olhos

Tulipas róseas singelas
silêncio fragrância sutil
sol escarlate
tulipas longe do céu
indefiníveis sombreiam
de verde a solidão

Entre descaminhos
estes ou aqueles
florescem caminhos
sonhadora caminha só

(Van Albuquerque)
15/12/09

Num canto


Num canto


Sem você
fico sem canto
guardada num canto
sem canto
aqui dentro de mim...

(Van albuquerque)
14/12/09

domingo, 13 de dezembro de 2009

Amor calado


Amor calado


Num outro
canto do mundo
uma curva lilás
clareia o céu

Nas linhas opacas
paredes azuis espreitam
tantos desencontros

Olhares se encontram
no abraço intenso
tão perto de ti
tão longe de mim

Alvoroço tamanho
toma conta
atropela o espaço
atrasa o tempo

Teu coração
fugidio suspira
Meu olhar
indaga ansioso
De quem será
todo esse amor calado
escondido em seu peito?

(Van Albuquerque)
25/11/09

Efêmera


Efêmera


Nesse instante
desse canto
meu olhar fecundo
se encanta
por esta imagem tão bela
bailando solta ao vento
sua presença me alcança...
efêmera em meu coração
planta...sementes vivas,
me impregna
germina em mim...
doces lembranças
aromas férteis de ti

(Nill – Van Albuquerque)
25/11/09

Azul Mar


Azul mar



Um sol ardido
se acendeu no céu
aqueceu a brisa
quente esvoaçou
fiapos de tinta
azul mar

Na mudez
surda do anoitecer
olhar ao relento
divagou sonhos
recitou saudades
ao luar

Manso lago azul
juntou gotas
soletrou palavras
nas lembranças
agitou-se

Meu olhar azul
denso se fez
tempestuoso mar

(Van Albuquerque)
29/11/09

Sonhos


Sonhos

Fiapos de tinta
na tela colorida
se esparramam

Um sol ardido
aquece a brisa
derrete os sonhos
escondidos entre
as cores quentes
do meu olhar

(Van Albuquerque)
02/12/09

Fria Solidão


Fria solidão


Solidão feito maré cheia
transborda na areia
cavalgando a solta
lateja no vento

Veloz cerra meus olhos
ofegante respira fria
despe meus sentidos
veste minha pele
com seu calor febril
aconchega-se a dor muda
da minha tristeza
dentro da minha alma
faz um ninho se abriga

Num canto vazio
ferve calada se inflama
machuca meu coração
silenciosa comigo caminha

(Van Albuquerque)
13/12/09

Papoulas


Papoulas



O céu nublado
vermelho entoa
canções recentes

Chuva colore a pincel
enquanto o olhar
da menina semeia

Solo quente fertiliza
uma aquarela
temporã pontilha

Papoulas sorriem rubras
um ramalhete
escarlate verseja
dedos delicados
acariciam as pétalas
sensuais macias

( Van Albuquerque)
13/12/09

Saudade


Saudade



Saudade tem cor de ausência
feito uma pétala esmaecida
numa caixinha de lembranças
guardada dentro do coração

Saudade tem tempo dolente
se arrastando devagar
dias de verão sem calor
cheiro de melancolia
num entardecer primaveril
carregado de flores

Saudade tem nuances de tristeza
sente fome da presença
dilacera a alma machuca o coração

Saudade tem um gosto amargo
sem viço de uma fruta madura
suculenta sem sabor

Saudade é dor silente de amor
tem os olhos soluçantes
tonalidade incolor de lágrimas
orvalhando a face de solidão

(Van Albuquerque)
13/12/09

Sabor de amor


Sabor de amor


Morango maduro
acaricia a boca

Nos lábios escorre
sabor vermelho

Textura rubra
aromatizada de amor

Gosto delicado
de um beijo molhado

(Van Albuquerque)
13/12/09

Lembranças Róseas



Lembranças róseas


Encantamento singular
o vento sutil entoa uma canção
repousa lânguido o silêncio
sinfonia enche de perfume o ar

Borboletas coloridas a dançar
entardecer de tons campesinos
manipulo fragrâncias inalo teu cheiro
migro como um pássaro para outro lugar

Saudade sedenta dor que não machuca
lembranças róseas colorem a solidão
rimas emolduradas se entrelaçam
versam teu corpo quente no meu

Brilham lampejos do sol dourado
lágrimas contidas salpicam as horas...

(Van Albuquerque)
13/12/09

Eu te amo



Eu te amo


Escrevo-te os versos
que meu coração anseia lhe dizer
um poema de sonhos inquietos
letras se juntam aqui e acolá

Palavras moldados em minha alma
oferenda escrita por minhas mãos
um poema que de tanto te querer
perdeu a razão e endoideceu

No meu coração ficou a essência
do tempo que passou e não calou
minha voz grita em silencio
Eu te amo junto ao murmúrio do mar

(Van Albuquerque)
13/12/09

Chuva




Chuva

Gotas miúdas
acariciam pétalas
afagam a terra
lavam lágrimas

(Van Albuquerque)
13/12/09

Cavalgada


Cavalgada

Despida dos sentidos
trotando nos anseios
em seu corpo cavalgo
meus desejos

(Van Albuquerque)
13/12/09

Divagando


Divagando



Numa esquina
tênue do destino
meus olhos tensos
procuram por ti

Ansiosos tentam
voltar no tempo
confusos perdem-se
nos labirintos de nós

Soluçam perguntas
sem repostas
silentes se calam

Lágrimas escorrem
molham minha face
empalidecida de angústia

Meu coração dói
divaga lembranças
tentando entender
por que sufocar
em mim sentimentos

(Van Albuquerque)
28/11/09

Sol


Sol


Teu amor chegou
feito o sol
incendiando meu céu

(Van Albuquerque)
13/12/09

Sabor


Sabor


Nas noites
desperto com o sabor
fresco e orvalhado
das manhãs

Absorvo o aroma
do corpo teu
à poemar um mar
de desejos
em todo o corpo meu

(Van Albuquerque)
03/12/09

sábado, 12 de dezembro de 2009

Nosso amor



Nosso amor

Nossa história de amor
não caberá na memória
escorregadia do tempo

Ficará para sempre
pincelado em nós
um cheiro quente
de amor sem fim

(Van Albuquerque)
12/12/09

Fim


Fim


Emudeci dentro de mim
os sentimentos
já não há presente
nem futuro para nós

No vão das palavras
não ditas meu amor
amou-te perdidamente
desiludido calou-se

(Van Albuquerque)
12/12/09

Sinto


Sinto

Um silencio furioso
gritando tua ausência
cá dentro de mim

(Van Albuquerque)
12/12/09

Esquecer você


Esquecer você



Meu coração
não consegue apagar
o que a saudade
não deixa esquecer

(Van Albuquerque)
12/12/09

Poema de amor




Poema de amor


Do vento esguio
que de longe sopra
sou a brisa macia
que chega morna
sibilando palavras
num poema de amor

(Van Albuquerque)
12/12/09

Desenhando



Desenhando


Sinto a poesia
gotejando saudade
Em cada palavra
que escrevo desenho
lembranças de nós

(Van Albuquerque)
12/12/09

Resquícios de amor


Resquícios de amor


Em minhas mãos
o tempo urge
escorre lento
pelos meus dedos

Abro as mãos
no vão das palavras
resquícios de ti
de nós
do nosso amor findo

(Van Albuquerque)
12/12/09

Feliz



Feliz


Um sorriso tímido
passeia pelos cantos
da minha boca
Hoje amanheci feliz
romanceando com o dia

(Van Albuquerque)
12/12/09

Quinta flor



Quinta flor



És flor?
És tu de tudo em flor?
Ou és flor de tudo que vejo ao seu redor?

Tento ser não sei
talvez seja...
Diz-me o que sou?

Sei que eu era
uma tímida pétala rosada
encantada com a beleza
exuberante das palavras
me inventei poeta
num campo verde esmeralda

Hoje desfolho carinhos
rego com poesia
o jardim delicado
amizade florida
plantado com amor
no coração singelo
de todos meus amigos

Vou deixar-me levar
pelo perfume de tuas palavras
Caminhar no seu jardim de poesias
Descobrir que há cores e aromas
Inventados só pra ti.
Encontrar-te foi
sol,
Azul,
Amarelo
Setembro

Não digo quem és tu,
flor de rara beleza
Digo apenas quem eu sou
depois dessa primavera de versos

(Brain-Van Albuquerque)
01/10/09

Sabor cereja


Sabor cereja



Busco na umidade
da minha boca
uma gota cálida
do néctar carmim

A fragrância leve
textura rosada
que guardei
do teu último beijo

Retoco meus lábios
com um sabor cereja
adocicado de ti

(Van Albuquerque)
02/09/09

Saudade


Saudade

Saudade de ti
é tempo presente
que o meu coração
entristecido sente

(Van Albuquerque)
12/12/09

Saudade



Saudade



Num dia azul
da cor do céu nu
saudade faz brotar
uma doçura triste
em meu olhar

Gotas dolentes
escorrem
molham minha face
calam meu olhar
insistentes apagam
meu sol quente

(Van albuquerque)
04/10/09

Olhar


Olhar

Na retina dos teus olhos
você prendeu os meus
De amor me perco,
vivo meus sonhos
dentro dos olhos teus...

(Nill – Van Albuquerque)
02-10-09

Refúgio


Refúgio




Abriguei-me
num mar bravio
intenso de cores
de palavras
de ventos
de silêncios

Emudeci meus soluços
absorvi meus lamentos
diluí a tinta espessa
da saudade

Sem ti refugiei-me
dentro de mim

(Van Albuquerque)
04/10/09

Fica comigo?


Fica comigo?


Não se vá ainda
fica comigo?

Esquece um pouco
de você aqui...

Deixa um pouco
desse teu jeito carinhoso ...
Um pouco mais
do seu amor...
Um pouco mais de você
em mim...

Sem pressa se demore
aqui dentro de mim...

(Van Albuquerque)
05/10/09

Insone


Insone


Esta noite meus olhos
não dormiram
amanheceram claros
despertos feito o dia

Olhar inquieto
desenhou um crepúsculo
de lembranças
amanheceu insone
versejando saudades

(Van Albuquerque)
06/10/2009

Desejos


Desejos


Os lábios vermelhos
roçam a taça
a cereja do drink
cai displicente


Calda macia
adocicada inebria
escorrega pelo decote
seduz a pele
bronzeada de malícias


aloja-se por entre
os seios quentes
arrepiando de vontades
a pele ardente


Na chama acesa
nossos desejos deslizam
nus transbordam a taça
em nós se aconchegam
insaciáveis nos devoram


(LORD FENIX – Van Albuquerque)
07/10/09

Meninice


Meninice


Um sol quente
de longe me espia...
No céu azul, se esparrama...

Na beirada da janela
descortino, meus sonhos...

Abro a gaveta, das lembranças
brinco comigo, de faz de conta...

Em silêncio,
fantasio meu mundo
me invento...

Sou criança feliz, outra vez...

O tempo, sem tempo
não se esvai...
Fica em mim, me afaga
não rouba minha meninice...

Era uma vez...
Uma menina
menina feliz, que cresceu...

(Van Albuquerque)
08/10/09

Outono


Outono


Um tom esmaecido
ronda as cores
intensas do olhar

Atravessa o dia
entardece o jardim

Vento frio toca a alma
desperta lembranças
amarelecidas pelo tempo

Pétalas desfolham
sonhos em tom pastel

Um espasmo outonal
desfolha plantas

Folhas empalidecidas
fatigadas voam
num tapete de saudades

(Van Albuquerque)
20/11/09