segunda-feira, 20 de julho de 2009

Sem dono


Sem dono


Meu coração sem dono
desolado saiu do meu peito
da minha alma desabrigou-se

Desiludido foge de mim
descalço caminha
pelas ruas nuas da vida

Perde-se num desvio

Descaminhos mudos
do destino sem piedade
espreitam meu mundo
vazio de ti

Van Albuquerque)
16/07/09

Nenhum comentário: