sábado, 25 de julho de 2009

Dócil poeta




Dócil poeta



Ah Van!


Naquela hora estava tenso,desligado
Com o coração fechado...
Alma abatida por uma circunstancia
da vida...
Não consegui dar-lhe resposta devida.


Naquele instante, senti distante, o
manancial de inspiração,
que sacia a sede do poeta amante...
...este se faz doravante presente..
Aos poetas abertos, recebem
seus afluentes...


E eu estou aqui meio descontente
Ao seu doce desafio me fiz
Ausente...

-Nill-
24/07/09
22:15...

Ah Poeta!


Sinto-te sempre presente,
mesmo que a distancia entre nós
se faça dorida ausência...
Tu és um poeta de coração aberto,
trás na alma o versejar límpido
das palavras que fluem ao som singular
que tua alma singela entoa...


Nunca, nenhum instante teu
tornou-se fugaz a ponto de tirar-lhe
o manancial de inspiração poético
com que fostes agraciado.


Tu és o amante dócil, das palavras
escrevendo em versos os sentimentos
que tua alma inconteste dita.

-Van Albuquerque-
24/07/09
22:44

Nenhum comentário: