domingo, 28 de junho de 2009

Aviso


Aviso


Sinto de longe
quando tu chegas
me encanto
fico sem canto

No ar um vento frio
febre de amor
se aromatiza

Num calafrio
toma conta e arrepia
cada pedaço meu

(Van Albuquerque)
27/06/09

Monólogo


Monólogo


Meu corpo nasce
quando o teu
se entrelaça ao meu

Com volúpia teu corpo
fala em minha pele
num monólogo de carícias
sem dizer uma palavra

(Van Albuquerque)
28/06/09

Alquimia


Alquimia



Sussurrei gemidos
murmurei vontades
perdi-me no labirinto
de nossos desejos

Surdas e emudecidas
emoções se dissipam
densas perdem-se
na alquimia de cores
cheiros e sabores
que deixamos
impregnadas nos lençóis

(Van Albuquerque)
27/06/09

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Viagem


Viagem


Sinta minha boca
viajando por seu corpo

Salivando quente
nas saliências
de sua pele nua

Sinta meus carinhos
atrevidos passeando
por sua anatomia

Audazes descobrindo
suas vontades
seus desejos ardentes
mais secretos

(Van Albuquerque)
26/06/09

Teu olhar


Teu olhar


Quando teus olhos
me olham
inquietam minha pele
abrasam meus sentidos
despertam em mim
rubros desejos

(Van Albuquerque)
19/06/09

Sem definição


Sem definição


Eu sou mais
do que os temores
que povoam meus dias
encabulam meu sol
fazem minhas noites
acinzentadas e frias

Mais do que as nuvens
obscuras das incertezas
que displicentes
passeiam por meus olhos
encobrindo meu céu azul

Nem ouse tentar
nada me define

Hoje abri as algemas
soltei as amarras
que me prendiam
sem medo fui a luta
pulei os muros
que me aprisionavam

Hoje sou muito mais
do que meus erros
muito mais
do que meus acertos
sou além de tudo
que tu vês

Sou o pouco
o inverso
do muito além de mim

(Van Albuquerque)
24/06/09

Insone


Insone


Na penumbra
meus olhos despertos
te acariciam
vestem teu corpo nu
com minhas malícias

(Van Albuquerque)
11/06/09

Inverno


Inverno


Lá fora
inverno gélido
corta a pele

Cá dentroAdicionar imagem
amor aquece
meu coração
feito sol quente
de verão

(Van Albuquerque)
11/06/09

Passado


Passado


Pétalas esmaecidas
despetaladas nervuras
num céu acinzentado
pelas rugas do tempo

(Van Albuquerque)
11/06/09

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Desejos


Desejos


Um mar infinito
em minha boca
intenso ondeia

Num salivar
quente de desejos

(Van Albuquerque)
23/06/09

Amanhecer


Amanhecer

Manhã ensolarada
janela entreaberta
desfolho nas mãos
pétalas de sol

Colho o dia
aveludado no vaso
tenro de violetas

(Van Albuquerque)
13/06/09

Noites


Noites

Tua ausência fere
meus olhos
nubla de saudades
minhas noites com sol

(Van Albuquerque)
22/06/09

Confissão


Confissão


Conta-me teus desejos
mas não com tua voz
sussurrando morna
ao meu ouvido

Quero ouvir tuas mãos
despindo meu corpo
falando sem pudor

Quero sentir seu amor
fluindo lentamente
matando suas vontades
vestindo de prazer
minha pele nua

(Van Albuquerque)
23/06/09

terça-feira, 23 de junho de 2009

Sonhos


Sonhos

Despertar suave
permeado de sonhos
arejados com o sabor
doce da saudade

Desejos despertos
colorindo lábios sequiosos
com pinceladas quentes
adensadas de vontades

(Van Albuquerque)
20/06/09

Devaneio


Devaneio

Tu és como o vento
que passa ligeiro
afaga minha boca

Tu és o devaneio
que acaricia meu corpo
nas minhas tantas
noites insones

(Van Albuquerque)
20/06/09

Sua ausência



Sua ausência



Dias e noites perversos
sentindo sua ausência
insensível hibernar
dentro de mim

Meus olhos vertem
pranto calado
embaçados ondeiam
um mar tempestuoso
de saudades

Soluços sufocam
minha alma vazia de ti

Dor da saudade
habita meu coração
desperta gelada
sorrindo espreguiça-se
impiedosa degusta
o sabor tênue da solidão
que mora em mim

(Van Albuquerque)
23/06/09

Margaridas



Margaridas

Campo florido
margaridas singelas
miúdas amarelas
douram o dia

(Van Albuquerque)
18/06/09

Habitat


Habitat

Deixa minha alma
se aconchegar
ao seu coração
para sempre morar
dentro de ti

(Van Albuquerque)
20/06/09

Saudades


Saudades

Sinto saudades
de mim
me esparramando
de amor
toda lânguida
dentro de ti

(Van Albuquerque)
18/06/09

Linhas


Linhas


Minhas mãos
taciturnas alinhavam
as curvas sinuosas
do meu destino

(Van Albuquerque)
11/06/09

Quer namorar comigo?


Que namorar comigo?


Prometo te amar
vivermos juntos o romantismo
fascinante de outrora...

Caminhando de mãos dadas
pelas alamedas floridas
também pelas estradas
sinuosas da vida
escrevendo a cada momento
novos capítulos
da nossa história de amor

Te fazer feliz
contigo ver a luz do sol
nascer todos os dias..

Quero sentir teu cheiro
gosto da sua boca
olhar dentro de seus olhos
acariciar seus sonhos
afagar suas vontades...

Te amar com intensidade
na cumplicidade dos amantes
em seus braços me aconchegar...

Na simplicidade
dos pequenos gestos meus
você ler meus lábios dizendo

EU AMO VOCÊ!...
(Van Albuquerque)
09/06/09



Réplica do Amor

Uma promessa de amor
Para viver um romance
Numa paixão fascinante

Deixando flores amada
Pelas alamedas enfeitadas
Caminho pelas lindas estradas
Nessas veredas de minha vida
Escrevo a história do amor
Em capítulos de louvor

Se me fazes feliz
Vejo o brilho das estrelas
No amor que me diz

Sinto teu aroma na vida
O gosto de teus lábios
O olhar dentro dos meus
O afagar dos meus cabelos
A vontade é amar-te querida

Teu amar com intensidade
Deixa a cumplicidade dos amantes
Nos meus braços quero realidade

Na nossa simplicidade
Nos nossos pequenos gestos
Estamos amando de verdade
Carlo Magno 09/06/09

Em silêncio


Em silêncio


Em certas fases da lua
fragmentos de uma paixão
me incomodam...
Me fazem lembrar momentos
reviver sonhos guardados...

Devanear no labirinto
tênue de saudades
que ainda machucam
meu coração

Sinto em mim
o cheiro da tua pele
sabor dos teus beijo
na minha boca
carícias de suas mãos
em meu corpo...

Lembranças se misturam
aos murmúrios roucos
dos meus suspiros
de prazer...


Por toda a minha existência
levarei comigo
as palavras não ditas
os carinhos não trocados
com você sem você
tatuados nos desejos
em mim!...

(Heredion – Van Albuquerque)
05/06/09

Insensatez


Insensatez
(Van Albuquerque)

Meu coração dói...
Não aprende!
Vez ou outra
desvencilha-se de mim
insensato, foge...
Caminhando, sem rumo
tropeça, na palavra amor...
Depois, volta chorando
sofrendo calado
dor de (des)amor.


Nem Tanto
(Luiz Henrique)

Se dói é porque sente
Se não aprende, talvez porque já saiba
Que ao fugir somente
Encontrará mormente
Amor de alma, que no corpo não caiba

Teu coração é fugidio
Plaina como pluma, sem rumo e certeza
A aventura é seu subsidio
De dia ou de noite luzidio
Seu brilho – de rara e fulgurante beleza

Um dia vai acostumar
Com esse coração sem controle, limite e desobediente
Teimoso ao buscar
Amor único e singular
Que se espera seja tão perfeito, que faz-se desamor somente...

Sutilezas do amor


Sutilezas do amor


Devo temer o perigo,
das armadilhas do amor

Chega manso
derrubando muros
neutralizando defesas...

Fico atento,
vigio meu coração...
Sinto o sentimento
se avizinhando...

Sutil me envolve
estou a um passo
de me render...

Dessa vez tentarei
ser feliz!...


(Heredion - Van Albuquerque)
05/06/09

Sentimento ilhado...


Sentimento ilhado...


Bem distante de mim
em algum lugar
lá está ela...

Olhar perdido
desfiando o tempo
enleado em lembranças ...

Face pálida
lábios trêmulos
sorriso apagado...

Sentimento ilhado
no cheiro agridoce
que ficou na pele
exalando aromas...

Brisa do entardecer
sopra quente
entorpece os sentidos...

Na boca rubra
vontade dos beijos
salivado de desejos...

(Heredion – Van Albuquerque)
04/06/09

sábado, 6 de junho de 2009

Cores...


Cores...


Em meu olhar
nasce um sol
encabulado e sem cor
frio de saudades...

Em minha boca
sinto um sabor
absinto aromatizado
com as cores ardentes
de sua ausência...

Em minha pele
queimando meus poros
um tom vermelho ...

Rubro alimentando
de vontades
meus desejos contidos!...

(Van Albuquerque)
05/06/09

Seu gosto...


Seu gosto...


Quando amanhecer
quero acordar sentindo
seu sabor intenso
calando minha voz...

Gosto suave do seu amor
seduzindo meus desejos...

Seu beijo preguiçoso
feito a polpa doce
de uma fruta madura
afagando minha boca
escorrendo morno
em meus lábios

(Van Albuquerque)
03/06/09

Coisas do coração


Coisas do coração...



Em certos momentos

meu coração se alegra

com as lembranças suaves

daquela paixão ...

Que em breves instantes

me fez flutuar

como se estivesse voando

pelo céu infinito dos amantes

embevecido sem tocar o chão...

Já em outros momentos

as lembranças daquela paixão

me aniquilam...

Fazem-me lembrar que doeu

fez o coração sangrar...

Os meus olhos se inundam

mastigo e engulo a seco

as dores do desamor...

(Van Albuquerque – Heredion)
01/06/09

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Pulsar...


Pulsar...

Enquanto desperto
exibe-me fêmea
lânguida e nua

Sedução transborda...
Desejos surgem
no pulsar acelerado
dos corpos
da pele se tocando...

No jogo da sedução
te conquisto...

Deixo em tuas entranhas
as minhas pegadas
de amor...

(Van Albuquerque – Heredion)
02/06/09

terça-feira, 2 de junho de 2009

Escrevo-te...


Escrevo-te...


Um poema de amor

Meus olhos não sorriem
embaçados lacrimejam
juntando as letras
uma a uma no papel

São palavras silabadas
versos gotejados
entrecortados por soluços
úmidos de dor...

Meus olhos melancólicos
escrevem um mosaico
cristalino de lágrimas
colorido de lembranças
denso de saudades...

(Van Albuquerque)
01/06/09

Coração miudinho...




Não bate feliz
entristecido soluça
apertado num canto
solitário do peito

Em pedaços
junta cacos
cola segredos
lapida momentos
enverniza lembranças
capítulos felizes
da nossa história
de amor

(Van Albuquerque)
01/06/09

Sozinha


Sozinha


Minha alma desnuda
sonha sozinha

Segue pelo caminho
fazendo rascunhos
de saudades ao vento

Rabiscando no papel
tudo de mais bonito
que o meu coração
ainda sente

(Van Albuquerque)
29/05/09