quinta-feira, 28 de maio de 2009

O tempo do poeta


O tempo do poeta


Poeta vive 
com o coração pendurado 
balançando feliz 
numa corda bamba
verseja amor em poesia...
Verseja silencio onde há barulhos indesejáveis...
deseja barulhos inconfessáveis numa hora
e brada sobre segredos em outras 
Mas seu coração pendurado
Pendula um sim 
um não...
Um sim 
um não...
Não deseja o sim
Não deseja o não....
Deseja sonhar
viajar no silêncio das palavras 
se enveredar nos versos e amar!
Amar sua presença
Sofrer sua ausência
Meu coração pendurado
Pendulando um sim
Pendulando um não


Um poeta vive assim seus amores...
Com sins
Com nãos...
entregue ao tempo que o engole
em solidão.

Por Lupi (Luciano Lopes) e Van Albuquerque
24/05/09


Nenhum comentário: