terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Noite silenciosa


Noite silenciosa


Lá fora, silenciosa a noite passeia
madrugada, chega gelada
chuvosa, sussurra com o vento
brisa fria, acorda o meu sono

No silêncio da noite, soluço
lágrimas em mim, desabam
cresce a sua ausência
assombram-me, infinitos desejos...

Desatinada me dispo, invento-te
da solidão faço um ninho
agasalho meu corpo frágil
na saudade dormito os anseios

(Van Albuquerque)
16/11/08

Nenhum comentário: